Blog

A Impressão Offset (Parte 01)

A Impressão Offset (Parte 01)

05.DEZ.2017
A mágica dos materiais gráfico baratos

A mágica dos materiais gráfico baratos

08.AGO.2017

Um dos grandes desafios de comerciantes em qualquer segmento na era virtual é conquistar e fidelizar clientes. Com as facilidades promovidas pelo acesso quase universal à internet, a concorrência aumentou em todos os setores, fazendo com que novos empreendedores cheguem cheio de ideias frescas e vontade de trabalhar para ganhar espaço. 

Tanto essa gente nova quanto os empresários que já estavam no mercado precisam aprender a lidar com a maior competição agora – seja buscando inovar e atender melhor os desejos e necessidades da clientela, seja trabalhando pela manutenção e fidelização do público que já está ali. Infelizmente, o setor gráfico vem sofrendo com a injeção de mais empresas, mesmo as de porte pequeno.

Já vem sendo tendência que mais concorrentes acabem fazendo cair o nível de preços ou de qualidade dos serviços oferecidos. Os valores mais baixos praticados acabam prejudicando todo o mercado gráfico, a maioria dos empreendedores iniciando no segmento busca trabalhar fazendo a ligação entre gráficas fornecedoras e clientes finais, sem mais haver necessidade de montar uma gráfica própria com sede física e parque industrial – reduzindo bastante o custo-benefício para investir e atraindo aventureiros.

Menores preços: culpa não é só de um ou outro, somos todos culpados

Faça uma pesquisa rápida nos mecanismos de busca e você pode encontrar pacotes de mil cartões de visita por 14 reais ou 4 mil panfletos por 59 reais…. Mas como um revendedor ou designer gráfico consegue competir com preços que parecem “mágicos” de tão bons? Pois essa mesma busca que você fez seu cliente também faz. E ele decide com quem comprar. Hoje, existem profissionais no setor praticando valores muito abaixo da média do mercado por questão de sobrevivência. É o clássico “só para não perder o cliente”. Exemplos como esses acima são o símbolo de como muitos empresários vêm lidando com a competição: buscando lucrar a qualquer custo, mesmo que prejudique o setor como um todo.

Não há dúvidas que preços assim atraem rapidamente o público. Mas não é possível oferecer qualidade de verdade ou ter um lucro substancial com esses valores. E todos saem perdendo. Em geral, a culpa pela queda de valores recai sobre as revendas. Mas não é responsabilidade apenas delas e dos novos empreendedores no segmento.

Gráficas de grande porte, algumas delas multinacionais já estabelecidas, também vêm caindo no erro de abaixar os preços de maneira assustadora sem pensar nas consequências. Se elas conseguem sobreviver por um bom tempo com lucros baixos, não são todos que podem pensar o mesmo. Aos poucos, o mercado pode acabar com apenas alguns jogadores em campo novamente, com qualidade oferecida cada vez menor.

Desespero ou estratégia?

Mas porque grandes empresas do setor vêm fazendo isso – assim como algumas revendas. A resposta pode ser estratégia ou desespero. Com tantos novos competidores, preço baixo é tática comprovada para chamar a atenção do consumidor final, mesmo que lucre pouco a princípio. Após conquistar a primeira compra do cliente, fidelizá-lo se torna mais fácil.

Mas o mais provável é que seja por desespero. Hoje, com a grande concorrência e o fácil acesso do público à pesquisa de preços e avaliações de outros internautas sobre as gráficas, e a soma de menos clientes e lucros mais baixos sempre resulta em desespero.

A solução: se aperfeiçoar e não comprar deles

Nunca é pouco frisar que é impossível oferecer grande qualidade com preços tão baixos como esses exemplificados. Para quem procura combater essa prática que tanto prejudica o mercado, não há outra solução: é preciso se aperfeiçoar e não comprar deles. Mas como fazer isso?

O empreendedor gráfico, seja ele um revendedor ou dono de uma gráfica, precisa buscar sempre melhorar o produto e serviço oferecidos. Para o produto, garanta a melhor impressão possível, seja com seus equipamentos próprios ou escolhendo a fornecedora parceira com cuidado. Para o serviço: invista no seu site, tornando-o fácil de navegar e com muitas opções para o cliente; faça questão de oferecer um ótimo atendimento em todas as etapas da compra; e trabalhe no pós-venda, com suporte, dicas e promoções para fidelizar o público.

E o mais importante de tudo: no meio, todos sabem que revendedores e designers compram dos fornecedores que oferecem produtos a “preço de banana”, justamente para poder lucrar mais na revenda. Mas eles bem podem estar cavando a própria cova. É preciso valorizar o seu trabalho e o de todos, só assim o cliente também vai fazer o mesmo. Com um bom atendimento, qualidade no impresso e entrega dentro do prazo combinado, você pode vender o produto pelo “valor”, e não apenas pelo “preço”.

Somente trabalhando com garantia de qualidade e pensando no futuro do mercado inteiro, e não somente em si, que o empresário gráfico pode se ajudar. E todos saem ganhando: quem empreende, quem revende, quem fornece e quem compra.

Gostou do artigo? Que tal fazer uma cotação conosco?

Preencha o formulário (clique aqui) ou contate-nos pelo fone: (41) 3333-3166

Por Jacques Douglas
O Milheiro como padrão comercial

O Milheiro como padrão comercial

26.JUN.2017